O problema não é de “falta de honestidade”, é o capitalismo!

Os problemas sociais e econômicos são um produto inevitável da sociedade de classes, e não o resultado da ação de “maus” políticos ou empresários, a quem seria suficiente substituir por “bons” políticos e empresários que estejam em conformidade com a justiça e o bem comum. O empresário mais progressista e virtuoso não terá outra opção além de aumentar a exploração dos trabalhadores se a concorrência de um empregador rival ameaça afundar o seu negócio. E tratará de burlar o fisco tanto quanto for possível para aumentar os seus lucros, pois é esse, e somente esse, o objetivo de uma empresa privada. Se ele puder subornar políticos e juízes para manter sua empresa competitiva e expandir o seu negócio, não hesitará em fazê-lo. Não é um problema “moral”, mas sim o interesse de uma classe social que vive da exploração de mão de obra alheia para conseguir lucros, lucros que decorrem (como explicou Karl Marx há 150 anos) do trabalho não remunerado dos trabalhadores, da exploração do trabalho.

(treco do artigo ‘Podemos: o que é e para onde vai?’, escrito pelo espanhol Laureano Jiménez e publicado na Revista América Socialista VI)

Anúncios

R$ 500 milhões desviados do SUS: o capitalismo é corrupção, é destruição

folha-de-sao-paulo-capa-susA capa da Folha de São Paulo de hoje traz a manchete “Em 5 anos, SUS sofre desvios de R$ 500 milhões”. A matéria denuncia o desvio de recursos e explica que “com o valor desviado, por exemplo, poderiam ser construídas 227 novas UPAs (unidades de pronto atendimento) ou, ainda, 1.228 novas UBS (unidades básicas de saúde)”.

O dinheiro público some, na maioria das vezes, já em mãos das secretarias estaduais e municipais de saúde. “A maior parte dos desvios foi constatada em auditorias cuja principal responsável pela gestão dos recursos era a prefeitura (73% do valor), seguido dos Estados (15%)”.

O valor denunciado pelo jornal paulista refere-se apenas aos recursos desviados ilegalmente, provavelmente com “ajudinha” dos prefeitos e governadores a serviço dos capitalistas da saúde. Soma-se ao montante os valores desviados para interesses particulares de forma LEGAL, através de parcerias público-privadas, concessões, privatizações diretas e principalmente licitações!

Os governos sucateiam a saúde pública propositalmente para justificar “parcerias” com hospitais e planos de saúde privados.

O capitalismo tenta de todo modo golpear o SUS. Os grandes jornais noticiam tendenciosamente o caos existente na saúde público com objetivo de construir opinião pública em favor da privatização do SUS.

O fato é que onde houver capitalista, onde houver empresário tentando lucrar com serviços públicos haverá corrupção e desvio de verbas. São os capitalistas que sugam a saúde pública via terceirizações e convênios que destroem a saúde pública.

Nas licitações para concessão de serviços é onde ocorre a grande parte do desvio, e de forma “legal”. Concessões e privatizações são verdadeiras fontes de corrupção, máfias.

Aliás, os recursos denunciados pela Folha são desviados por ação de “gestores” públicos a serviço da burguesia, sempre!

A solução para acabar com os desvios de verbas, por fim à “farra com o dinheiro público”, é sem dúvida a planificação da economia sob poder dos trabalhadores, e estatização dos planos de saúde e dos grandes hospitais!